Pesquisar
A Vila

A Vila

Com aproximadamente 2.000 habitantes, a vila conta com uma Escola E.M.E.F. de ensino fundamental, um CEIM (Centro de Educação Infantil Municipal), um posto de saúde uma Igreja Católica, sete evangélicas. O comercio é formado por três mercearias, uma farmácia, uma sorveteria, uma padaria e diversos bares. O ponto de encontro dos jovens aos fins de semana é a pracinha localizada em frente à Igreja Católica. Há poucos lugares para se hospedarem na comunidade, moradores locais possuem quartos simples mais confortáveis e camping. Informamos ainda que na comunidade estão sendo construídas  pousadas que muito em breve estarão funcionando. Importante salientar que a Comunidade possui uma Associação de Moradores, uma de Pescadores que representam suas respectivas classes perante o poder publico e um Comitê Comunitário de Turismo que abrange representantes de todos as instituições existentes na comunidade tendo como uns de seus objetivo promover a gestão e o planejamento de atividades voltadas para o turismo em Povoação, de forma consultiva e prepositiva, envolvendo os diversos grupos da sociedade e do poder público, contribuir para a efetiva implantação de ações e atividades voltadas direta ou indiretamente para o turismo de Povoação.

Referencias da Comunidade de Povoação;

Pousada Belo – 3274-2112 falar com Onias Pereira

Ponte do Trio Elétrico - 9993-0369 falar com Reinaldo Giovanelle

Mercearia e dormitório Nossa Senhora das Graças – 3274-2019

Histórico

No início os únicos habitantes eram os índios Botocudos. Com a navegação do Rio Doce, começaram a chegar os primeiros colonos brancos e mestiços.

Porém, os primeiros registros históricos de Povoação surgem em 1818, nos escritos do naturalista francês Auguste Saint-Hilaire que se hospedou no Sítio de Antônio Alves Martins, duas léguas acima da foz do Rio Doce. Referência feita também pelo Bispo Dom José Caetano, em visita à região em 1819.

Essas referências são confirmadas, em outro livro, pelo historiador linharense Lastenio Calmon Júnior, 1975.

Já em 1865, o geólogo Haltt escreve, “a uma pequena distância rio acima, há uma pequena colônia chamada Povoação”.

Entre os anos de 1918 e 1930, com a introdução do cacau, muitas fazendas foram surgindo, e o lugar cresceu rapidamente. “Mas Regência dormita... Ali mesmo , do outro lado, um lugar que só tem o nome de Povoação está crescendo; já se mudou para lá o Juiz distrital, já la se foi o registro civil; lá se fundem fazendas lá se abrem casas, lá se ganha dinheiro depressa”. “Em Povoação o Rio está desbarrancando o cemitério humilde”. (Rubem Braga 1946).

Um marco importante da economia da região foram os vapores, Tupi, Muniz, Tamoio e o Juparanã, que no século passado impulsionou a economia local, transportando pessoas e mercadorias para Linhares (sede do município) e Colatina.

Com a desvalorização do cacau, o progresso parou e o lugar, ainda hoje chamado Povoação, ocupa uma área de 29 hectares, com 500 imóveis e cerca de 2000 habitantes.

Vale lembrar que nas imediações da comunidade, existe um grande empreendimento da Petrobrás, que desde o inicio do novo século, vêem trazendo oportunidades de emprego a moradores da comunidade, outro empreendimento, que está para sair do papel é a construção de uma usina termelétrica nas imediações da comunidade que vêem de encontro com a necessidade da comunidade a busca de empregos.

Economia

A economia é baseada, nas lavouras cacaueiras, na pesca artesanal, no funcionalismo público, nas atividades voltadas a produção de petróleo e gás natural côo, termelétrica e pecuária.